Inspiração

Deus é o criador da luz. Ele criou o sol, a lua e as estrelas. A flor que desabrocha, a árvore que cresce, o nascer do sol e o seu ocaso são todos tributos à luz de Deus. “E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas” (1 João 1:5). O homem depravado perdeu a visão da luz de Deus quando pecou no jardim do Éden.

 

Devido aos efeitos do pecado, todo ser humano é necessitado. Sem Cristo, todas as almas seriam condenadas. A natureza humana deseja e tem sede pelas coisas desta terra. Ela procura satisfazer esta sede, bebendo das águas estagnadas do mundo. Buscando prazeres, seguindo as modas e andando na busca de bens materiais, a nossa carne procura em vão matar a sua sede insaciável. Enquanto estas águas estagnadas oferecem algum prazer momentâneo, elas jamais proporcionam satisfação duradoura. Sempre continua a busca por mais e maiores divertimentos, aventuras e objetivos.

A alma tem sede das bênçãos de Deus. Ela almeja estar em paz e anda em comunhão com ele. A alma não deseja as coisas da terra porque deseja a água viva.

 

Sem fazer-se anunciar e quase despercebida uma nova cruz introduziu-se nos círculos evangélicos dos tempos modernos. Ela se parece com a velha cruz, mas é diferente; as semelhanças são superficiais; as diferenças, fundamentais.

Uma nova filosofia brotou desta nova cruz com respeito à vida cristã, e dessa nova filosofia surgiu uma nova técnica evangélica — um novo tipo de reunião e uma nova espécie de pregação. Este novo evangelismo emprega a mesma linguagem que o velho, mas o seu conteúdo não é o mesmo e sua ênfase difere da anterior.

Continuar lendo da página inicial-

A velha cruz não fazia aliança com o mundo. Para a carne orgulhosa de Adão ela significava o fim da jornada, executando a sentença imposta pela lei do Sinai. A nova cruz não se opõe à raça humana; pelo contrário, é sua amiga íntima e, se compreendemos bem, considera-a uma fonte de divertimento e gozo inocente. Ela deixa Adão viver sem qualquer interferência. Sua motivação na vida não se modifica; ele continua vivendo para seu próprio prazer, só que agora se deleita em entoar coros e a assistir filmes religiosos em lugar de cantar canções obscenas e tomar bebidas fortes. A ênfase continua sendo o prazer, embora a diversão se situe agora num plano moral mais elevado, caso não o seja intelectualmente.

A nova cruz encoraja uma abordagem evangelística nova e por completo diferente. O evangelista não exige a renúncia da velha vida antes que a nova possa ser recebida. Ele não prega contrastes, mas semelhanças. Procura ganhar o interesse do público, mostrando que o cristianismo não faz exigências desagradáveis; mas, pelo contrário, oferece a mesma coisa que o mundo, somente num plano superior. O que o mundo pecador esteja idolatrando no momento é mostrado como sendo exatamente aquilo que o evangelho oferece, sendo que o produto religioso é melhor.

A nova cruz não mata o pecador, mas dá-lhe nova direção. Ela o faz engrenar num modo de vida mais limpo e agradável, resguardando o seu respeito próprio. Para o arrogante ela diz: “Venha e mostre-se arrogante a favor de Cristo”; e declara ao egoísta: “Venha e vanglorie-se no Senhor”. Para o que busca emoções, chama: “Venha e goze da emoção da fraternidade cristã”. A mensagem de Cristo é manipulada na direção da moda corrente a fim de torná-la aceitável ao público.

A filosofia por trás disto pode ser sincera, mas sua sinceridade não impede que seja falsa. É falsa por ser cega, interpretando erradamente todo o significado da cruz.

A velha cruz é um símbolo da morte. Ela representa o fim repentino e violento de um ser humano. O homem, na época romana, que tomou a sua cruz e seguiu pela estrada já se despedira de seus amigos. Ele não mais voltaria. Estava indo para o seu fim. A cruz não fazia acordos, não modificava nem poupava nada; ela acabava completamente com o homem de uma vez por todas. Não tentava manter bons termos com sua vítima. Golpeava-a cruel e duramente e quando terminava seu trabalho o homem já não existia.

A raça de Adão está sob sentença de morte. Não existe comutação de pena nem fuga. Deus não pode aprovar qualquer dos frutos do pecado, por mais inocentes ou belos que pareçam aos olhos humanos. Deus resgata o indivíduo, liquidando-o e depois o ressuscitando em novidade de vida.

O evangelismo que traça paralelos amigáveis entre os caminhos de Deus e os do homem é falso em relação à Bíblia e cruel para a alma de seus ouvintes. A fé manifestada por Cristo não tem paralelo com o mundo, mas se cruza com o mundo. Ao nos aproximarmos de Cristo não elevamos nossa vida a um plano mais alto; mas a deixamos na cruz. A semente de trigo deve cair no solo e morrer.

Nós, os que pregamos o evangelho, não devemos julgar-nos agentes de relações públicas enviadas para estabelecer boa vontade entre Cristo e o mundo. Não devemos imaginar que fomos comissionados para tornar Cristo aceitável aos homens de grandes negócios, à imprensa, ao mundo dos esportes ou à educação moderna. Não somos diplomatas mas profetas, e nossa mensagem não é um acordo mas um ultimato.

Deus oferece vida, embora não se trate de um aperfeiçoamento da velha vida. A vida por Ele oferecida é um resultado da morte. Ela permanece sempre do outro lado da cruz. Quem quiser possuí-la deve passar pelo castigo. É preciso que repudie a si mesmo e concorde com a justa sentença de Deus contra ele.

O que isto significa para o indivíduo, o homem condenado que quer encontrar vida em Cristo Jesus? Como esta teologia pode ser traduzida em termos de vida? É muito simples, ele deve arrepender-se e crer. Deve abandonar seus pecados e depois renunciar-se a si mesmo. Ele não deve encobrir nada, defender nada, nem desculpar de nada. Não deve procurar fazer acordos com Deus, mas inclinar a cabeça diante do golpe do desagrado severo de Deus e reconhecer que merece a morte.

Feito isto, ele deve contemplar com sincera confiança o Salvador ressurreto e receber dele vida, novo nascimento, purificação e poder. A cruz que terminou a vida terrena de Jesus põe agora um fim no pecador; e o poder que levantou Cristo dentre os mortos agora o levanta para uma nova vida com Cristo.

Para quem quer que deseje fazer objeções a este conceito ou considerá-lo apenas como um aspecto estreito e particular da verdade, quero afirmar que Deus colocou o seu selo de aprovação sobre esta mensagem desde os dias de Paulo até hoje. Quer declarado ou não nessas exatas palavras, este foi o conteúdo de toda a pregação que trouxe vida e poder ao mundo através dos séculos, Os reformadores, os evangelistas de avivamento, colocaram aqui a sua ênfase, e sinais, prodígios e poderosas operações do Espírito Santo deram testemunho da aprovação divina.

Ousaremos nós, os herdeiros de tal legado de poder, manipular a verdade? Ousaremos nós com nossos lápis grossos apagar as linhas do desenho ou alterar o padrão que nos foi mostrado no Monte? Que Deus não permita! Vamos pregar a velha cruz e conheceremos o velho poder.

 

Uma grande necessidade no mundo de hoje

Amor… Que palavra mais linda em qualquer língua ou lugar na terra! Em que pensamos ao ouvirmos esta palavra: carinho, proteção, acolhimento, bondade, compreensão, segurança, amor materno? Para você, pessoalmente, o que esta palavra significa? Você deseja ser amado? Você ama?

Deus é amor. A presença de seu amor em nosso coração nos ajuda a amar e sermos amados, pois Deus é a fonte de todo verdadeiro amor. Em 1 João 4:16 lemos: “E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele”. É impossível realmente amar e ser amado se este amor não vier de Deus.<--break->

Vejamos o oposto do amor: ódio, desconfiança, egoísmo, brigas e guerras. Basta darmos uma olhada no que está acontecendo no mundo de hoje para compreendermos o quanto o amor está fazendo falta, inclusive nas famílias e na vida das pessoas.

E você? Sente que está sendo amado? Ou sente uma dor no coração, uma solidão, uma falta de amor e carinho? Passa por momentos em que sente que ninguém se importa com você? Foi criado num lar sem verdadeiro amor, em que os pais não se amavam e não amavam os filhos? Estes são sentimentos comuns no mundo de hoje em que muitos são dominados pelo egoísmo. Quando a pessoa vive apenas para si mesma, o resultado inevitável será uma vida cheia de dor.

O amor não é uma atração sensual que procura satisfazer as próprias paixões, muitas vezes às custas dos outros. Esta atração, que alguns chamam de amor, é egoísmo, pois vive em função do próprio prazer. O verdadeiro amor não existe em função da fama ou dos prazeres.

As coisas difíceis que a vida nos traz não são uma prova de que Deus não nos ama. Há ocasiões quando Deus permite que passemos por dificuldades para o nosso próprio bem. Pais que realmente amam os filhos sabem que cumprir todos os desejos de uma criança não a tornará feliz.

O verdadeiro amor se sacrifica para o bem dos outros. O amor é caloroso, compreensivo, bondoso… Se realmente amamos, pensaremos no bem-estar presente e futuro dos nossos entes amados. Um marido e pai amoroso demonstrará amor para a esposa e filhos. Ele não medirá esforços para criar um ambiente de amor e segurança no lar. Da mesma forma, a esposa e mãe que ama e respeita o marido educará os filhos para amarem e respeitarem os pais e os irmãos. Para ela será um prazer criar um ambiente de segurança e tranqüilidade para toda a família. Cristo demonstrou o verdadeiro amor quando deu a sua vida na cruz, mesmo não merecendo a morte.

Se em seu coração há um grande vazio, uma falta de amor, seu caso tem solução; é possível encontrar o verdadeiro amor. Basta se entregar a Deus, pois ele se compadece de você com um amor que vai muito além daquilo que se possa imaginar. Ele se importa com você e quer estar ao seu lado durante todos os momentos difíceis de sua vida. Se você se sente sozinho e acha que foi esquecido por todos, pode saber que este não é o caso. Aquele que deu seu Filho por você sente e compreende todas as suas dores e tristezas. Nos seus momentos mais solitários e nos seus dias mais tristes, ele estará presente para consolar, fortalecer e dirigir a sua vida – se você lhe der oportunidade.

Se você não sabe como chegar a Deus, abra seu coração e exponha-lhe tudo que está sentindo; pode ter plena certeza de que ele ouvirá tudo. Se você já perdeu a confiança em todo mundo, inclusive em Deus, diga-lhe isso também. Peça ajuda até nisso.

Se você sente que é um pecador sem esperança de ser perdoado e de encontrar o amor, então chegue a Deus com todo o seu coração; arrependa-se de seus pecados e abandone-os. Se você chegar a ele com todo o seu coração, disposto a obedecê-lo em tudo, ele será o seu Pai amoroso.

Quando Deus perdoa e o aceita como filho, você sentirá o seu amor e iniciará um relacionamento que ninguém poderá romper – somente você poderá rompê-lo — se virar as costas para ele.

Quanto mais você conhecer o amor de Deus e deixar de amar a si próprio, maior será a segurança que sente no coração. Ter certeza de que está sendo amado abre seu coração para amar e preocupar-se com seu próximo. Ao invés de reparar em como os outros o tratam, passará a preocupar-se com as necessidades de seu próximo; sentirá grande prazer em ser útil no serviço do seu Senhor e Salvador. A partir do momento em que deixa de ser escravo de seus próprios desejos, Deus abrirá sua mente para enxergar lindas verdades. 1 Coríntios, capítulo 13, fala sobre isso.

Deus tem uma família aqui sobre a terra. É possível que ele queira que você conheça esta família para poder servi-lo junto com outros fiéis. Estes fiéis compõem a Igreja de Deus. Jesus disse: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (João 13:35). Este é o amor genuíno que supre todas as suas necessidades espirituais.

Se você quiser saber mais sobre este amor, leia o evangelho de São João. Leia também o capítulo 53 de Isaías, onde o profeta fala do sacrifício de Jesus pela humanidade. O Salmo 91 enumera as promessas de Deus. O Salmo 23 e 1 Coríntios capítulo 13 nos mostram o amor do Pastor e como este amor deve estar presente em nossas vidas. Peça a Deus para dirigir a sua leitura.

Se você levar a sério o que acabou de ler, isto pode significar o fim de sua solidão e infelicidade. Permita que Deus tome conta de sua vida. Experimente o amor de Deus, que é a maior bênção que Deus dá ao ser humano. Que Deus lhe abençoe.

Leia o trecho abaixo de 1 Coríntios capítulo 13. Se precisar de mais esclarecimentos ou desejar compartilhar alguma coisa com irmãos pertencentes ao povo de Deus, dirija suas correspondências ao endereço que aparece no final deste folheto.

 

1 Coríntios 13:1-8, 13

 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.

 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

 E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

 Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;

 Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;

 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

 O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;

 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.

 

Publicado pela Igreja de Deus em Cristo - Menonita

Voltar

—John W. Reynolds

 

Um dos casos mais interessantes de uma pessoa aparentemente morta que tornou a viver, que eu conheço, é o de George Lennox, um ladrão de cavalos de notoriedade no condado de Jefferson (EUA). Isto aconteceu enquanto ele estava cum­prindo pena pela segunda vez na prisão. Na primeira, fora condenado pelo judiciário do condado de Sedgwick pelo mesmo crime: furto de cavalos.

Sendo que sua sentença condenatória estipu­lava trabalhos forçados, no inverno de 1887 foi trabalhar nas minas de carvão. Foi obrigado a trabalhar num lugar que lhe parecia bastante perigoso, chegando, inclusive, a comunicar este fato ao guarda responsável. Este, após uma investigação, disse que não havia perigo, e mandou que continuasse trabalhando no mesmo lugar. O detento obedeceu, mas antes de completar uma hora de serviço, o teto desabou, deixando-o totalmente soterrado. Permaneceu assim durante duas horas.

Divulgar conteúdo